REVERÊNCIA NAS PREGAÇÕES







I Timóteo 1: 3 - Como te roguei, quando parti para a Macedônia, que ficasses em Éfeso, para advertires a alguns, que não ensinem outra doutrina,
I Timóteo 1:4 - Nem se deem a fábulas ou a genealogias intermináveis, que mais produzem questões do que edificação de Deus, que consiste na fé; assim o faço agora.
I Timóteo 1:5 - Ora, o fim do mandamento é o amor de um coração puro, e de uma boa consciência, e de uma fé não fingida.
I Timóteo 1:6 - Do que, desviando-se alguns, se entregaram a vãs contendas;
I Timóteo 1:7 - Querendo ser mestres da lei, e não entendendo nem o que dizem nem o que afirmam.

Caríssimos,
Tenho  orado e meditado na Palavra, bem como tenho assistido diversas pregações em diferentes igrejas, conforme a vontade do Senhor.
E me pergunto, assim como pergunto ao meu Salvador Jesus Cristo:
“O que é correto e o que é incorreto?”
“Onde está a virtude e onde está o erro?”
Parece-me, às vezes não estar assistindo à pregação da Palavra de Deus num púlpito, mas a uma peça teatral.
Será  que o pregador deve provocar risos na plateia? Ele tem que  ser cômico?  É válido ser engraçado ao pregar a Palavra de Deus?
Eu não encontrei no Evangelho nenhum trecho onde Cristo ou algum dos apóstolos provoque risos entre seus seguidores, entre os fiéis  que ouvem suas pregações.
Talvez por isso eu me sinta tão inconformado ao ver os ensinos sagrados serem ministrados  com chacota, ironia e comicidade. Com trejeitos, com gestos que buscam ser engraçados...
E  o povo ri, gargalha...
Seria válido o pregador subir ao púlpito vestido de palhaço, com nariz vermelho  e o rosto maquiado a caráter?
O problema é que eu vejo o Evangelho como algo sagrado, digno de respeito, temor e adoração.
Então  me pergunto, Onde está a reverência?
Estão se esquecendo que devemos ter total reverência à Palavra, ao templo e ao Espírito Santo que ali se faz presente?
Onde fica a reverência ao Espírito Santo de Deus?
Vejamos o que Paulo nos ensina:
I Timóteo 1:3 - Como te roguei, quando parti para a Macedônia, que ficasses em Éfeso, para advertires a alguns, que não ensinem outra doutrina,
E
I Timóteo 1:4 - Nem se deem a fábulas ou a genealogias intermináveis, que mais produzem questões do que edificação de Deus, que consiste na fé; assim o faço agora.
(Os trechos por mim sublinhados são para destacar o assunto em pauta.)
Primeiro, que jamais nos afastemos da Palavra de Deus, do Evangelho, da Doutrina de Cristo.
Segundo, que não preguemos FÁBULAS.
Terceiro, que não nos percamos em GENEALOGIAS INTERMINÁVEIS.
Resumindo,  aquele que  ministra o ensino da doutrina de Cristo não deve se portar como contadores de histórias, não deve se portar como quem fala sobre faz de conta, não deve ser portador de onomatopeias nem de fantasias infundadas. Bem como não deve se perder em detalhes, nem falar em lorotas ou estultices, muito menos ser prolixo,( demasiadamente extenso),  e cansativo nas considerações e exemplos. Nunca mentir, aumentando ou diminuindo o sentido do ensino, nunca se perder em detalhes históricos, picuinhas, linhagens, e coisas tais.
Porque, tudo o que foge à Palavra de Deus, conforme está escrito, traz um pouco ou um muito de “achismo”, de interpretação pessoal do pregador.
E, isso pode acarretar que mais produzem questões do que edificação de Deus, que consiste na fé”.
O que foge ao que está escrito gera no público alguma polêmica, dúvida, discórdia e até mesmo descrédito,  o que acarreta perda de objetivo, perda do alvo, que é semear a Palavra dentro dos corações e das almas de quem a ouve.
Nos diz mais o apóstolo Paulo:
I Timóteo 1: 5 - Ora, o fim do mandamento é o amor de um coração puro, e de uma boa consciência, e de uma fé não fingida.
Temos que levar ao povo a Palavra verdadeira, ensinando que o amor é o mandamento maior, amor a Deus e ao próximo.  Também que tenham a consciência isenta de culpas ou pecados, que se busque a santificação em Cristo, o que somente se consegue estando nossa vida dentro dos mandamentos do evangelho e da doutrina de nosso messias  e Salvador, revestidos na fé inabalável, sem hesitação  ou dúvidas, através da ação do Espírito Santo.
Pois, Deus é justiça, mas, antes, Deus é amor.
E completa Paulo:
I Timóteo 1: 7 - Querendo ser mestres da lei, e não entendendo nem o que dizem nem o que afirmam.
Jesus Cristo é o marco divisório entre a Lei de Moisés (antigo Testamento) e a Graça (novo Testamento).  Como Cristãos, não devemos ignorar conhecer o antigo Testamento, mas nosso mestre eterno é Jesus Cristo, pois foi Ele quem morreu na Cruz do Calvário para nos estender o Reino de Deus, antes somente destinado aos descendentes de Abraão.
Pregam a Lei, se esquecendo que a Lei era destinada aos judeus,  se esquecendo que até então nós todos éramos gentios, sem direito à terra prometida.
Não somos filhos de Abraão, não somos regidos pela Lei de Moisés.
Somos filhos do filho unigênito de Deus, Jesus Cristo e se estamos hoje sendo convidados a participar do reino de Deus, é por seu sacrifício de morte na cruz. É pela sua ressurreição ao terceiro dia. É pela misericórdia e ação do Espírito Santo, que rege e guia a igreja de Cristo neste nosso mundo.
A promessa de Cristo, eterno mestre, é a vida eterna.
 A Graça foi estendida a todos, desde que se coloquem na posição de  obediência à doutrina de Cristo.
Quem seguir a Lei não vai achar nem terra prometida nem o reino de Deus.
O apóstolo João nos ensina, sobre Jesus Cristo:
João 1:11 - Veio para o que era seu, e os seus não o receberam.
João 1: 12 - Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que creem no seu nome;
João 1:13 - Os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus.
João 1: 14 - E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade.
João 1: 17 - Porque a lei foi dada por Moisés; a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo.
Deus, pela Graça de Cristo, nos fez herdeiros da salvação eterna.  Aos que se consagram a Jesus, aceitando-o como seu único  e  suficiente Salvador, após se batizarem nas águas, morrendo para o mundo do pecado e renascendo em Cristo, foi dado a glória de serem chamados FILHOS DE DEUS, e terem seus nomes escritos no livro da vida.



Este é o começo do árduo caminho estreito da Salvação. Somente os que viverem em comunhão e sintonia com o  Espírito Santo, vencendo a carne e observando o Evangelho  de Cristo,  somente estes alcançarão a vitória e entrarão, pela porta estreita,  no Reino dos Céus.
O Senhor nos ensina a viver na fé, praticar a caridade e o amor ao próximo, para que não nos apresentemos diante dele, no dia do juízo, de mãos vazias.
A fé em Cristo nos levará até o Reino dos Céus, mas nossas obras em favor do Reino de Deus, estas nos trarão o galardão que nosso Salvador distribuirá a cada salvo, conforme for seu merecimento.
Jesus é a fonte de águas vivas, nos tendo ofertado o Espírito Santo, o qual  nos purifica e nos torna filhos de Deus:
 João 7: 37 - E no último dia, o grande dia da festa, Jesus pôs-se em pé, e clamou, dizendo: Se alguém tem sede, venha a mim, e beba.
João 7: 38 - Quem crê em mim, como diz a Escritura, rios de água viva correrão do seu ventre.
João 7:39 - E isto disse ele do Espírito que haviam de receber os que nele cressem; porque o Espírito Santo ainda não fora dado, por ainda Jesus não ter sido glorificado.
Quero aqui reiterar aquela passagem, onde Jesus ensina que “entre os nascidos de uma mulher, João Batista foi o maior dos profetas, mas o menor no reino de Deus é maior que ele”.
Porque todos nós, que aceitamos Jesus Cristo como nosso salvador, recebendo o Espírito Santo, recebemos também a autoridade e poder inerente a Ele.
Todos nós cristãos, revestidos do Espírito Santo e munidos da Palavra de Deus, temos mais poder e somos capazes de realizar milagres que nenhum dos profetas anteriores a Cristo poderiam jamais sonhar realizar. Tudo, no nome de Jesus Cristo, lógico. A Ele a honra, a glória, o domínio e o poder, eternamente.
Por tudo isso, acima exposto, concluo que todo cristão que subir num  púlpito, em respeito ao Espírito Santo, deve se revestir, também, da reverência devida, agindo com decoro cristão e com respeito a Jesus Cristo.
Quando se prega o evangelho de Cristo, está-se representando o próprio  Jesus.  Aquele que agir de forma indevida, jocosa ou indecorosa, certamente pagará caro pelo seu erro.
NÃO SE ESQUEÇAM DO TEMOR E DA REVERÊNCIA  NO ALTAR DO SENHOR.
Quantas igrejas existem que vão se arrastando, sobrevivendo de migalhas, tendo seu átrio com tantos lugares vazios, perdendo os obreiros de qualidade, se apegando àqueles que não demonstram zelo pelas coisas de Deus, vegetando, murchando, encolhendo e acabam por fechar suas portas?
E o pastor  responsável se pergunta: “Porquê,  meu Deus? Porque minha igreja não prospera? Será que o povo não quer nada com o evangelho? Será que devo trocar de ministério? Está faltando oração?”
Sendo boca de Deus, eu lhes respondo: falta vigiar, estão deixando de lado a reverência ao Espírito Santo.  Onde não há temor não há reverência. Onde falta reverência, não se apresenta o Espírito Santo de Deus. Onde não age o Espírito Santo de Deus, se instala a apostasia, que leva ao fracasso da obra do Senhor.
Quem tem ouvido ouça o que o Espírito diz à igreja”.
 Que o Espírito Santo possa falar mais e melhor em vossos corações. Paz do Senhor.

Missionário Virtual  Geraldo de Deus      2014 abril, 21





Continuar Lendo

IGREJA PRIMITIVA - IMITANDO A


Mateus (MT)

7 : 21Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.

7 : 22Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas?
7 : 23E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade.
7 : 24Todo aquele, pois, que escuta estas minhas palavras, e as pratica, assemelhá-lo-ei ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha;


Amados em Cristo,

Quando estudamos o proceder da igreja primitiva, desejamos alcançar seu grau de envolvimento e dedicação ao reino de Deus e à salvação das Almas. Almejamos também a união solidária entre todos os crentes.  Entendemos que devemos tomá-la como exemplo a ser seguido.
Apesar da perseguição implacável existente por parte dos donos da Lei de Deus (Escribas, fariseus e os príncipes das sinagogas) e dos governantes das nações onde se anunciava o evangelho, os apóstolos pregavam a Palavra, baseando-se no que Jesus Cristo lhes passou como  ensinamento, cheios do  Espírito Santo, mas desprezando toda forma de  ritos de adoração e sacramentos ou sincretismo religioso existentes e de uso corrente.
O Dogma da igreja primitiva era simplesmente  Jesus Cristo e a Palavra (os ensinamentos deixados por ele e testemunhados pelos apóstolos.

O que seria Dogma? Vejamos suas definições:
 Um dogma(do grego δόγμα, plural δόγματα) no campo religioso é uma verdade divina, revelada e acatada pelos fiéis, no catolicismo os dogmas surgem das Escrituras e da autoridade da Igreja Católica; no campo filosófico, é uma crença/doutrina imposta, que não admite contestação.O termo dogma está ligado à ideologia, ou conjunto de princípios que servem de base à um sistema religioso, político, filosófico, científico, entre outros.São verdades absolutas que não permitem a discussão. São um conjunto lógico, sitemático de representações (idéias, valores) e de normas ou regras (de conduta) Indicam ou prescrevem aos membros da sociedade o que devem pensar e como devem pensar, o que devem valorizar e como devem valorizar, o que devem sentir, fazer e como.
possue caráter prescritivo, normativo, regulador, cuja função é dar aos membros de uma sociedade dividida em classes uma explicação racional para as diferenças sociais, políticas e culturais. 

A missão dos apóstolos era clara: Ganhar almas para o reino de Deus.

Batizavam nas águas, impunham as mãos e batizavam no Espírito Santo, ensinavam o amor, o perdão e a esperança nas promessas de Salvação Eterna.
Repreender toda forma de idolatria fazia parte do ensinamento dos apóstolos e seus discípulos. Jamais aprovaram o uso de amuletos ou qualquer associação de Jesus com deuses pagãos.
Seus esforços eram no sentindo de exaltar as promessas de Cristo e o Reino de Deus:
 Jesus veio para livrar-nos da escravidão de satanás  e desse mundo, por isso ele veio. 
Ele não veio somente para nos levar para o céu ou para sermos perdoados.
 Ele veio para libertar-nos do jugo do príncipe e governante deste mundo.
Ele disse: Arrependam-se, pois o reino dos céus é chegado. 
Por isso precisamos sair deste mundo. Isto não é sobre fazer coisas certas ou erradas, é a respeito do poder de Satanás sobre nós e sobre o viver para Cristo. 
É sobre fazer a escolha certa: Quero ser servo de Deus ou quero ser servo do demônio?
Escolhendo ser servos de Deus, devemos morrer para o pecado e renascer com Cristo.
Nova pessoa, ligada no trono da glória.
Lembremo-nos disso em nossas igrejas, lembremos os fiéis sobre isso em nossas pregações.
Deus é espírito e faz-se necessário adorá-lo em espírito e em verdade. A adoração de alma, de coração, de fé e obras de caridade e amor. 
Nada de imagens, anéis, flores, etc, etc, etc.
Nada de sincretismos, ou nos transformaremos numa cópia da prostituta, a igreja católica, a que desvia o povo do reino de Deus.
A continuar com sincretismos nas igrejas evangélicas, brevemente estarão vendendo santinhos e imagens de Jesus aos fiéis.
Glórias a Deus (Pai, Filho e Espírito Santo). Aleluias à sua Palavra.

Somos filhos do Deus vivo e presente, o qual habita em nossos corações.
E de lá ninguém pode arrancá-lo.
Aleluias.

Persistam na fé e nas obras de boas ações ao próximo. Grande será vosso galardão.


Que o Senhor vos ilumine e dê sabedoria.

Missionário Virtual Geraldo de Deus   2014 abril 17.

Continuar Lendo

SUBMISSÃO


Jó 1:11 - Mas estende a tua mão, e toca-lhe em tudo quanto tem, e verás se não blasfema contra ti na tua face.

Murmuração e blasfêmia, dois caminhos que levam ao abismo das trevas eternas.
Adorar e louvar ao nosso Deus nos momentos de bonança e alegria é o comportamento natural  e corriqueiro.
Mas, louvar e adorar ao nosso Deus nos momentos de tristeza e aflição,  é só para os verdadeiros adoradores.
Quem busca em Cristo somente a riqueza material e a prosperidade, não é um filho de Deus, apenas um equivocado, o famoso joio que infesta a seara do Senhor. São abominações para Deus, agindo como irracionais perante o Criador onipotente e eterno.
Enquanto os ventos forem favoráveis, enquanto a riqueza material e toda forma de boa vida estiver cercando o caminho deste homem, ele imitará um adorador. Porém, quando vier a primeira brisa, prenunciando a tempestade e as aflições próximas, esse equivocado se tornará um murmurador. Quando a tempestade e as aflições fustigarem-no, certamente         se  tornará um blasfemador.
O passo seguinte será  abandonar a igreja onde congrega, iniciando uma via sacra em todas as outras igrejas próximas.
Este acontecimento ocorre nas igrejas cristãs a todo o momento, infelizmente.  E muitos chegam a abandonar a doutrina de Cristo, voltando para o mundo das ilusões e     do pecado, que o levará à segunda morte. Morte espiritual.
   Jó 1:1 HAVIA um homem na terra de Uz, cujo nome era Jó; e era este homem íntegro, reto e temente a Deus e desviava-se do mal.

Jó foi  um homem justo diante de Deus e sofreu toda sorte de castigos por parte do Inimigo, autorizado por Deus, que pôs nele a fé em sua fidelidade.
Jó 1: 12 - E disse o SENHOR a Satanás: Eis que tudo quanto ele tem está na tua mão; somente contra ele não estendas a tua mão. E Satanás saiu da presença do SENHOR.
Satanás então  atirou-se sobre Jó, impiedosamente, matou seus filhos, matou seus rebanhos, matou seus camelos, destruiu suas propriedades, depois tirou sua saúde e vigor e ainda fê-lo enfrentar a acusação de ser um pecador, por parte de seus amigos. Sua mulher, vendo tanta tragédia disse a ele que blasfemasse contra Deus.
Jó 2: 9 - Então sua mulher lhe disse: Ainda reténs a tua sinceridade? Amaldiçoa a Deus, e morre.
Jó 1: 20 - Então Jó se levantou, e rasgou o seu manto, e rapou a sua cabeça, e se lançou em terra, e adorou.
 Jó passou por terrível deserto, mas saiu vitorioso.
 Jó 2: 10 - Porém ele lhe disse: Como fala qualquer doida, falas tu; receberemos o bem de Deus, e não receberíamos o mal? Em tudo isto não pecou Jó com os seus lábios.
Tudo Jó sofreu, sem murmurar contra Deus nem blasfemar contra sua justiça.
Jó 1:21 - E disse: Nu saí do ventre de minha mãe e nu tornarei para lá; o SENHOR o deu, e o SENHOR o tomou: bendito seja o nome do SENHOR.
Depois de muito sofrimento, Jó conclui :
Jó 42: 1 - ENTÃO respondeu Jó ao SENHOR, dizendo:   
Jó 42: 2 - Bem sei eu que tudo podes, e que nenhum dos teus propósitos pode ser impedido.
Jó 42:3 - Quem é este, que sem conhecimento encobre o conselho? Por isso relatei o que não entendia; coisas que para mim eram inescrutáveis, e que eu não entendia.
Jó 42: 4 - Escuta-me, pois, e eu falarei; eu te perguntarei, e tu me ensinarás.
Jó 42: 5 - Com o ouvir dos meus ouvidos ouvi, mas agora te veem os meus olhos.
Jó 42:6 - Por isso me abomino e me arrependo no pó e na cinza.
 Ele foi provado e aprovado diante do Todo Poderoso, para vergonha de Satanás.
Jó  se submeteu à vontade de Deus,  porque naquele sofrimento ele ganhou sabedoria,  teve avivada sua fé e alcançou a comunhão  com o Espírito de Deus. Seu conhecimento do Eterno Criador foi aumentado, ele já não tinha apenas a fé natural, mas a fé espiritual.
Jó 5:17 - Eis que bem-aventurado é o homem a quem Deus repreende; não desprezes, pois, a correção do Todo-Poderoso.
Jó entendeu que as coisas materiais são finitas, entendeu que anteriormente vivia mergulhado na vaidade e na soberba, embora o ignorasse.  Seu entendimento se abriu e ele entendeu a grandiosidade do poder de Deus, não somente sobre sua vida ou de seus iguais, mas a soberania de Deus sobre tudo o que criou,
Jó 9:4 - Ele é sábio de coração, e forte em poder; quem se endureceu contra ele, e teve paz?
e que a alma pode ser imortal se alcançar a salvação.
Jó 13:16 - Também ele será a minha salvação; porém o hipócrita não virá perante ele.
e
Jó 23: 10 - Porém ele sabe o meu caminho; provando-me ele, sairei como o ouro.

Os historiadores acreditam que Jó tenha vivido num tempo próximo a Abraão, no início da formação do povo de Deus e, nos impressiona que ele tenha tanto conhecimento do Deus vivo, num tempo onde a idolatria imperava.
O que devemos assimilar dos fatos ali descritos, é que o homem deve se submeter à vontade e ao poder supremo de Deus. Ninguém pode contender com o Criador onipotente e eterno. Não existe força que o enfrente.
Também que somente após passar pelo deserto e ter uma experiência com Deus o cristão adquire a sabedoria espiritual que vem de Deus e se fortalece, amadurece nessa experiência. Muitas vezes, nosso deserto é doloroso, mas se nos apegarmos ao nosso Jesus Cristo, mestre eterno, Ele nos levará pela mão, não nos abandonará. Ele nos dará forças para alcançar a vitória e, como Jó, usufruir das benesses de Deus para aqueles que perseveram em seus caminhos e na sua Palavra.
Deus não nos ensina com teorias, mas sim com a prática. Ele não nos diz apenas como devemos agir, Ele nos faz entender  sua vontade e sua justiça. Sendo submissos e mansos diante de Deus, o processo de aprendizagem  será menos doloroso.  Para os recalcitrantes, a dor atinge os ossos e a própria alma.
Aprendemos também em Jó, que os tesouros e bens materiais são ilusórios. Hoje temos a riqueza e o poder, amanhã estamos sem ela e sem ele.  E que quando estamos numa situação de dificuldade, mesmo nossos parentes e nossos amigos se tornam maus conselheiros e acusadores. Que somente Deus não nos abandona. Que somente Deus nos fortalece e nos guia. Somente Deus cuida de cada um de seus filhos, com amor e retidão.
Principalmente, que desafiar Deus ou querer contender com Ele é perda de tempo e caminho de perdição.
Deus é supremo. É Onipotente, é eterno.
Aleluias.
Jesus ensina: “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”.
Leia e medite na Palavra do Senhor, faça da bíblia sagrada seu manual e conselheiro de vida.
Tenha Jesus, o Cristo de Deus, como eterno e sublime mestre. O único que, através da ação do Espírito Santo estará te sustentando  e dando livramento  em todos os momentos, por todos os dias de sua vida, sem jamais o abandonar. Deus é FIEL. Será também Cristo o único advogado perante o Pai Eterno, no dia do julgamento, no Juízo Final.
Paz e vida.
Missionário Virtual  Geraldo de Deus     2014 abril, 11


                                                                                             


                                                                        
Continuar Lendo